segunda-feira, 28 de julho de 2014

EXTRA! "Hobbit The Battle of the Five Armies" já tem teaser

A "ultima" visita à Terra Média


Estreou hoje 28/07/14 o teaser do derradeiro capítulo do Hobbit. Para quem não conhece a historia, o teaser mostra-se pouco revelador para além do já esperado ataque de Smaug. 
Eu aguardava com muita esperança este ser o filme que salvasse a trilogia, mas entramos de pé esquerdo. Preocupou alguns dos efeitos visuais exagerados e até... ridículos. Aos primeiros filmes faltou uma abordagem mais séria e uma história de nível elevado. 
Nota: Foi com muito apreço que ouvi, aqui, a canção que Pippin cantou no, "Regresso do Rei"


                                         


quinta-feira, 24 de julho de 2014

Poster do, "Hobbit The Battle of the Five Armies"

Teremos finalmente o derradeiro HOBBIT?


Devo referir que este é um dos posters mais bonitos que já vi. Dito isto, julgo que o melhor do filme é isto mesmo... o poster. No segundo filme foi-nos praticamente esfregado na cara o destino de Smaug e ambos os filmes anteriores não me deixaram muito entusiasmado para o ultimo. Desejo muito estar enganado e ter aqui o derradeiro Hobbit que me fará ver esta trilogia (forçada) com outros olhos.


terça-feira, 22 de julho de 2014

O dia de lançamento do meu livro, "Terra Antiga o Duelo"


E assim, passou o dia tão aguardado. Muito brevemente o livro será distribuído por livrarias espalhadas por todo o país e até em formato ebook para todo o mundo.
Tenho a agradecer todos aqueles que tornaram este dia possível, e que, de certa forma, até o fizeram superar as minhas expectativas. Não estou habituado a realizar sonhos, e vivê-lo, tem sido uma experiência surreal.
Sou um filho único e cresci com poucos amigos. Sempre usei muito a minha imaginação, criava enredos para as minhas brincadeiras e acho que a escrita é uma continuação disso. É sonhar depois de adulto. Gosto da escrita, não pela escrita em si, mas porque oferece-me um escape. É uma necessidade para me abstrair do mundo, é diferente de tudo. Ao contrário de ver um filme ou de ler um livro, eu quando escrevo, estou no meio daquelas aventuras, vivo aquilo que escrevo, sinto o ar, interajo com os personagens, vejo as paisagens que descrevo, estou presente.
Porquê fantasia? Porque não importa o quão pequenos sejamos na realidade, na fantasia podemos ser enormes. É um género literário que já existe à muito tempo, desde as mitologias, a "Odisseia", a "Ilíada", e depois com obras como, "Beowulf", a lenda do rei Artur, etc. A fantasia ficou muito popular na primeira metade do séc. XX com o, "Hobbit" e o, "Senhor dos Anéis" de Tolkien, e mais tarde com as Cronicas de Nárnia de C.S. Lewis. Atualmente temos, "Games of Thrones", baseado nos livros, "As Crónicas de Gelo e Fogo" de George Martin. Em suma, escrevi sobre aquilo que gosto.
A Terra Antiga, é um mundo onde existe uma luta acesa pelo poder. Embora existam algumas semelhanças dentro do mesmo género com outras obras, é um mundo inteiramente criado de raiz por mim, onde, a cosmologia, as raças e até a magia obedece a regras criadas por mim.
Agora, desejo aos leitores, a mesma alegria que eu tive quando escrevi-o.

video

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Exodus: Gods and Kings; De volta ao coração do Egipto


A Bíblia tem algumas das melhores historias alguma vez contadas. É um privilégio voltar a poder experienciar uma delas.
Depois de “Noah”, “Exodus: Gods and Kings” promete novamente numa vertente mais do fantástico para expor uma história do antigo testamento.
Sinopse: a história de como Moisés que liberta os escravos

Nota: Bons ventos tragam Christian Bale o eterno Batman. 



domingo, 13 de julho de 2014

Dracula Untold, o Homem que se tornou Dracula

Pensem num único nome que simbolize todo o género de horror e talvez, Dracula, vos venha à mente. Os vampiros por si só, já são uma casta de realeza no género, e Dracula, senta-se no trono.
No filme, parecem ser incorporados mais elementos de fantasia que de terror, o resultado é um visual muito atraente.
Sinopse: A história por contar, a origem, a razão por detrás do monstro, o bem antes do mal.
Nota: Contente por ver o ator Charles Dance (Games of Thrones) num papel que acredito lhe servir muito bem.  











domingo, 6 de julho de 2014

Guts e Menção de Berserk

"Neste mundo…
O destino da humanidade é ser controlada por alguma entidade ou lei superior?
A mão de Deus realmente paira sobre nós?
Ao menos é verdade…
O homem não tem controlo nem mesmo sobre a sua própria vontade." 

Na vastidão quase infinita da fantasia, um nome único nome me foi trazido pelo vento, Guts.
Guts é um campeão entre grandes guerreiros. Quando o defrontarem, deixem a arrogância de lado, esqueçam a vantagem dos números ou o tamanho da vossa experiência e habilidade. Subestimá-lo é o principio da derrota.
Guts é um mercenário, vive para a espada e para se aperfeiçoar, a sua força vem de dentro, nunca desistir. Apontem-lhe um inimigo e vejam despoletar uma força da natureza. Leal amigo, mortal inimigo. Guts vem de um mundo extremamente violento onde existe uma acesa luta pelo poder.

Acabei de ver Berserk Golden Age Arc, fiquei um pouco perturbado com o final, por razões óbvias, mas no geral gostei muito. Berserk é uma junção da Manga, Anime e Dark Fantasy, o resultado é uma delícia para os olhos, onde cada frame parece cuidadosamente preparado para ser emoldurado como arte de fantasia. Como se pode nunca ter ouvido falar nisto antes? Como já referi, a fantasia é vasta, tão vasta que nos escapa tanto. Felizmente fiquei mais rico ao ver isto. 


terça-feira, 1 de julho de 2014

Liége Báccaro Toledo, autora do Enigma da Lua

Para se escrever ficção Fantástica 

é preciso nunca se ter deixado de ser criança


Desde que criei o Blogue que tenho tido a felicidade de encontrar pessoas com as quais me identifico. Gente que gosta de criar e fá-lo com paixão. Gente que ainda se lembra de como era ver o mundo quando criança.
Uma dessas pessoas é Liége Báccaro Toledo, autora dos livros, “O Enigma Da Lua”, e não só.
O que salta logo à vista ao falar com Liége é a sua simpatia e fluidez na escrita.
Já lhe tinha dito isto, a Fantasia precisa de mais mulheres. Liége oferece uma abordagem diferente a temas já muito batidos, é refrescante.

Eis algumas perguntas às quais foi atenciosa o suficiente em responder:

Fale-nos um pouco sobre si. O que gosta, os seus hobbies, guie-nos por um dia da sua vida.
Bom, eu sou uma pessoa bem “comum”, creio eu, mas tenho minhas particularidades como todo mundo. Sou professora de ensino fundamental e leciono a matéria de produção textual. È bem desafiador. De modo geral, sou muito caseira, gosto de passar tempo com as pessoas que eu amo fazendo coisas simples, mas sou uma amante apaixonada de cinema, literatura e música! Desde muito pequena gosto de ouvir e contar histórias. Sempre fui aquela criança que conseguia passar horas no mundo da lua, imaginando coisas, enredos, personagens. Fazia isso com meus brinquedos, inventava aventuras para eles, e isso me acompanha até hoje: só troquei os brinquedos pelos personagens que habitam minha cabeça. Quanto aos meus hobbies, sou uma jogadora inveterada de RPG (na maioria das vezes Dungeons and Dragons) e amo, amo escrever (o que é óbvio, hehehe!), ler e escutar música (e comer chocolate).
      
      É a autora dos livros de fantasia, “O Enigma da Lua”. Para quem ainda não conhece, fale-nos um pouco desse seu mundo.
O Enigma da Lua é uma série muito especial para mim. Ela se passa em Edrim, um mundo de alta fantasia que eu comecei a criar quando tinha quinze anos. Naquela época, eu havia acabado de começar a jogar RPG e tinha assistido o primeiro filme da trilogia O Senhor dos Anéis. Estava completamente apaixonada pelo mundo de Tolkien (eu já havia lido os livros) e também pelo jogo que meus amigos haviam me apresentado. A partir daí, decidi criar algo misturando as duas coisas, com todos os elementos que me encantavam: florestas, castelos, elfos, magia, um mundo medieval fantástico... em um primeiro momento, eu assimilei muitas coisas e criei poucas, confesso! Mas, com o tempo, fui amadurecendo e o mundo e a história também. O que mais proporcionou esse amadurecimento foram os próprios personagens, que praticamente cresceram comigo. Eles trouxeram cor e vida à Edrim e permitiram a criação de uma das coisas que os meus (poucos, mas muito queridos) leitores costumam mais gostar na ambientação: a mitologia do mundo e do universo em si e os traços de romance que costumam agradar quem procura uma história com um pouco de ação, aventura, mas também com coração. 
     
      De onde surgiu a inspiração para escrever esse projeto? O que a influenciou? Porquê o género Fantasia?
De muitos lugares... de tudo aquilo que me encantava quando eu era criança, da narrativa de Tolkien, dos animes e mangás japoneses e até mesmo da música! Lembro que um dos conflitos chave da história de O Enigma da Lua surgiu quando eu escutei a música Moonlight Shadow do Mike Oldfield e da Maggie Reilly. Mas eu sempre fui fascinada por fantasia, desde muito pequena, e acho que foi esse fascínio, acima de tudo, a maior influência para que eu escrevesse O Enigma da Lua. Eu não sei explicar o porquê desse meu interesse ao certo, mas creio que a fantasia me encanta pela possibilidade de vivenciar mundos diferentes, de se cercar de magia e do fantástico.
      
      Suponho que para todo escritor aspirante exista um sonho, agora que alcançado, julgo eu, com seus livros, vê correspondida a expectativa que tinha antes de atingir esse patamar?
Sabe qual foi a melhor coisa que eu ganhei lançando meus livros? As pessoas. As pessoas que conheci. Os leitores, as pessoas que atrai com alguns de meus escritos foram poucos, na verdade, mas a experiência de ter tido contato com esse pessoal foi incrível. Publiquei de forma independente, sem traçar um plano ou coisa assim, sem me organizar... então, creio que tive um resultado muito bacana. As expectativas que a gente tem quando escreve e deseja alcançar um público maior sempre são, no início, mais mirabolantes. Mas agradeço muito por ter contado com o apoio de pessoas que me fizeram enxergar as coisas como elas são e fizeram e me fazem evoluir a cada dia, seja com dicas, críticas ou apoio incondicional.  
      
      Que autores e outros livros nos pode indicar para uma boa leitura? 
Bem, no caso de autores consagrados sempre faço uma indicação quase desnecessária: leia Tolkien, claro. Também indico ardentemente “A História sem Fim”, de Michael Ende, livro fantástico e imprescindível para quem ama fantasia e ama criar. Mas gostaria de indicar escritores nacionais (brasileiros) muito bons que conheci em minha caminhada e indico sem medo: Jacó Galtran (ou Charles Willian Kruger), Gisele Bizarra, Ana Lúcia Merege, Karen Alvares e Melissa de Sá. Todos lidam com fantasia (mas não só) e escrevem muito bem. Acredito que vocês devem ficar de olho grudado nesse pessoal. Se esqueci de alguém, peço perdão adiantadamente.
      
      Que conselho pode dar a outros que queiram um dia ver algo seu divulgado ao público? 
Escrevam. Escrevam aquilo de que gostam e procurem sempre melhorar, SEMPRE! Para tanto, leiam muito e busquem o conselho de pessoas com mais experiência. Esse último é algo óbvio e que funciona em muitas outras ocasiões, mas é pura verdade. Não se preocupem em serem originais, serem perfeitos e bombásticos. Com treino e amor pelo que a gente faz, com paciência e dedicação, acho que tudo se ajeita. E não tenha medo de botar a cara a tapa! Muitas vezes é só assim que a gente aprende.
      
      O que podemos esperar de Liége Báccaro Toledo para o futuro?
Podem esperar novas histórias – estou preparando um romance em um cenário “desértico”, com influências da cultura árabe e persa que está me empolgando bastante. Também estou escrevendo o último livro da série “O Enigma da Lua”, que se chamará “O Despertar de Kathul”. Em breve sai um conto meu pela Editora Andross, na antologia “Horas Sombrias”. Enfim, eu espero poder sempre trazer boas histórias para quem gosta daquilo que eu escrevo – por enquanto são poucos, hehehe – e creio que jamais pararei de inventar e criar. Nasci assim e ainda não achei o botão de “desliga”.